Obras de Modigliani expostas na Itália são falsas, diz perita

Fonte: Da Ansa

chaim soutineRetrato de Chaim Soutine e Retrato de Jean Cocteau estão entre obras falsificadas (Foto: Wikimedia Commons)

Exposição foi encerrada em julho do ano passado, em Gênova.

Uma perícia apresentada nesta terça-feira (9) na Itália indicou que obras do pintor Amedeo Modigliani (1884-1920) que foram expostas em março do ano passado no Palazzo Ducale de Gênova são falsas.

A exposição tinha sido interrompida em julho, após o especialista toscano Cario Pepi levantar suspeitas sobre a autenticidade de 21 quadros, que, então, foram enviados para análise da perita Isabella Quattrocchi.

De acordo com ele, as obras foram "grosseiramente falsificadas", tanto no "tratamento quanto na pigmentação". "As molduras são provenientes de países do leste Europeu e dos Estados Unidos, sem nenhuma ligação com o contexto ou período histórico de Modigliani", disse.

O curador da mostra, Rudy Chiappini, está sendo investigado junto com outras duas pessoas. O Palazzo Ducale, por sua vez, alegou ser "parte fortemente lesada" no caso e prometeu adotar medidas punitivas.

Entre as 21 obras falsificadas, estão "Retrato de Conrad Moricand" (1915), "Retrato de Jean Cocteau" (1916), "Retrato de Chaim Soutine" (1917), "Mulher sentada" (1917), "Natureza morta com retrato" (1918), "Jovem sentada, Kiki" (1924).